Escolhendo A Linha De Sua Pesquisa Acadêmica

Todo trabalho acadêmico ou monografia deverá ter bem definida em sua metodologia uma linha de pesquisa a ser delineada e seguida para se atingir o resultado final. Neste capítulo eu irei lhe apresentar as principais linhas de pesquisas para que você defina a qual melhor possa ser utilizada em seu projeto

 

A pesquisa acadêmica é realizada no âmbito da academia (universidade, faculdade ou outra instituição de ensino superior), conduzida por pesquisadores que comumente são docentes, estudantes universitários e pesquisadores independentes.

Sendo um dos três pilares da atividade universitária, junto com o ensino e a extensão, tem por meta produzir conhecimento para uma disciplina acadêmica, bem como investigações relacionadas à prática dos processos de ensino-aprendizado, visando também a relacionar os aspectos objetivos e subjetivos da realidade que envolve o objeto a ser pesquisado.

As aplicações da pesquisa busca estabelecer ou confirmar fatos, reafirmar os resultados de trabalhos anteriores, resolver problemas novos ou já existentes, apoiar teoremas e desenvolvimento de novas teorias ou práticas.

Um projeto de pesquisa também pode ser uma expansão do trabalho passado no campo. Para testar a validade de instrumentos, procedimentos ou experiências, a pesquisa pode replicar elementos de projetos anteriores, ou o projeto como um todo.

Abordagens para investigação dependem epistemologias, e por isto vamos conhecer tipos de pesquisas para que você escolha a mais adequada para o seu trabalho.

 

TIPOS DE PESQUISA

 

Se utilizarmos o objetivo geral como critério, teremos três grupos de pesquisa:

 

  1. Pesquisas Exploratórias tendo por objetivo familiarizar-se com um assunto ainda pouco conhecido, pouco explorado. Ao final de uma pesquisa exploratória, você conhecerá mais sobre aquele assunto, e estará apto a construir hipóteses. Como qualquer exploração, a pesquisa exploratória depende da intuição do explorador.
  2. Pesquisas Descritivas que possuem como objetivo a descrição das características de uma população, fenômeno ou de uma experiência. Por exemplo, quais as características de um determinado grupo em relação a sexo, faixa etária, renda familiar, nível de escolaridade etc.
  3. Pesquisas Explicativas tendo como objetivo primordial identificar fatores que determinam ou que contribuem para a ocorrência de fenômenos. Este tipo de pesquisa é a que mais aprofunda o conhecimento da realidade, e por isso mesmo, está fortemente calcada em métodos experimentais. É uma pesquisa muita sujeita a erros (porque dependem de interpretação, o que acarreta subjetividade), mas de grande utilidade, pois geralmente possui aplicação prática. Assim, a pesquisa explicativa toma muitas vezes a forma de uma pesquisa aplicada (ou pesquisa experimental), ou pode também se utilizar de dados e informações de uma pesquisa Ex-post facto.

 

DELINEAMENTO DE UMA PESQUISA

Após a fase inicial de escolha do objetivo de uma pesquisa (pesquisa exploratória ou descritiva ou explicativa), segue-se outra fase, em que nós teremos que escolher os procedimentos técnicos e/ou metodológicos para efetivamente conduzir a pesquisa. A fase inicial nos fornece um norte teórico. A próxima fase irá fornecer o planejamento da pesquisa, ou seja, como ela vai acontecer.

O elemento mais importante da fase de delineamento é a coleta de dados. Nesta fase podemos utilizar vários instrumentos de coletas de dados. Basicamente, existem dois grandes grupos de delineamentos:

  • o grupo que se vale de informações impressas (provenientes de livros, revistas, documentos impressos ou eletrônicos),
  • e o grupo que utiliza informações obtidas por meio de pessoas ou experimentos.

No primeiro grupo destaca-se a pesquisa bibliográfica e documental.

No segundo grupo, temos a pesquisa experimental, a pesquisa ex-post facto, o levantamento, o estudo de caso, a pesquisa-ação e a pesquisa participante.

 

PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

Sendo a mais utilizada em trabalhos de conclusões de curso em Educação Inclusiva, A pesquisa bibliográfica é uma etapa fundamental em todo trabalho científico que influenciará todas as etapas de uma pesquisa, na medida em que der o embasamento teórico em que se baseará o trabalho.

Consistem no levantamento, seleção, fichamento e arquivamento de informações relacionadas à pesquisa. É imprescindível, portanto, antes de todo e qualquer trabalho científico fazer uma pesquisa bibliográfica exaustiva sobre o tema em questão, e não começar a coleta de dados e depois fazer a revisão de literatura, como algumas vezes se observa em alguns profissionais de saúde e acadêmicos no início de formação científica.

Essa pesquisa bibliográfica tem os seguintes objetivos:

  • Fazer um histórico sobre o tema
  • Atualizar-se sobre o tema escolhido
  • Encontrar respostas aos problemas formulados
  • Levantar contradições sobre o tema
  • Evitar repetição de trabalhos já realizados.

 

Em uma pesquisa bibliografia – e nas demais também – a revisão da literatura deve ser crítica, baseada em critérios metodológicos, a fim de separar os artigos que têm validade daqueles que não tem. Constitui perda de tempo ler um artigo que não segue esses padrões, pois sua leitura apenas confundirá as respostas ao problema a ser pesquisado, a não ser para sua própria crítica posterior ou pelo seu valor histórico.

Isso não quer dizer que tais artigos não são importantes, na realidade são frutos de um trabalho que está em constante evolução. Toda a ênfase deve ser dada na metodologia científica utilizada, ou seja, no rigor científico de como foi feito o trabalho. O item principal que deve ser analisado é a parte relativa à Metodologia ou Métodos.

 

A TÉCNICA DO RESUMO

Uma técnica que utilizamos muito em pesquisa bibliográfica é o resumo. Ele é parte integral de dissertações longas, teses, ensaios e monografias. Isso porque, no meio científico, como sempre dispomos de pouco tempo, os resumos dos trabalhos permitem-nos escolher rapidamente as leituras que devemos fazer. É fato comum encontrarmos os resumos desses trabalhos em outras línguas, para facilitar as pesquisas e intercâmbio internacionais.

Para realizarmos um resumo, estes são os passos:

1) Leitura do texto integral: Ler todo o texto, se possível, mais de uma vez para compreendê-lo.

2) Descoberta das ideias principal: Buscamos descobrir a ideia principal, sua finalidade e os argumentos empregados.

3) Descoberta das ideias secundárias:    Elas expandem as ideias principais pelos elementos de argumentação: causa e efeito, exemplo e contra-exemplos.

4) Seleção das ideias:     Dependendo do tamanho que se queira dar ao resumo, julgam-se as ideias secundárias e omitem-se aquelas que podem ser inferida da outras. Devemos omitir primeiro o que é mais fácil de lembrar. Assim, aconselha-se esta ordem: o exemplo, o contra-exemplo, o efeito, a causa. As ideias principais nunca se omitem.

5) Organização do resumo: Aqui redigiremos o resumo que, visando maior fidelidade ao texto integral, importa que seja elaborado, conservando-lhe a sequência.

 

PESQUISA DOCUMENTAL

A pesquisa documental guarda estreitas semelhanças com a pesquisa bibliográfica. A principal diferença entre as duas é a natureza das fontes: na pesquisa bibliográfica os assuntos abordados recebem contribuições de diversos autores; na pesquisa documental, os materiais utilizados geralmente não receberam ainda um tratamento analítico (por exemplo, documentos conservados em arquivos de órgãos públicos e privados: cartas pessoais, fotografias, filmes, gravações, diários, memorandos, ofícios, atas de reunião, boletins etc).

Esses documentos representam uma rica fonte de dados e, nesta perspectiva, pode-se definir a pesquisa documental como sendo aquela que busca um exame de materiais que ainda não foram observados de forma analítica, buscando novas interpretações ou mesmo interpretações complementares.

Como vimos, no trabalho com a pesquisa documental deve-se compreender que documento inclui:

  • Materiais escritos (jornais, revistas, diários, obras literárias, científicas e técnicas, cartas, memorandos e relatórios);
  • Materiais estatísticos;
  • Elementos iconográficos (sinais, grafismos, imagens, fotografias e filmes).

Os documentos podem também ser classificados como primários, que são aqueles produzidos por pessoas que vivenciaram diretamente o evento que está sendo estudado ou secundário, quando coletados por pessoas que não estavam presentes por ocasião de sua ocorrência.

São as variadas situações de investigação, nas quais a pesquisa documental pode ser considerada vantajosa e pertinente:

  • Permite o estudo de pessoas as quais não temos acesso físico, porque não estão mais vivas ou por problemas de distância;
  • Constitui uma fonte não reativa, as informações neles contidas permanecem as mesmas após longos períodos de tempo;
  • Documentos podem ser considerados uma fonte natural de informação à medida que, por terem origem em um determinado contexto histórico, econômico e social, retrata e fornece dados sobre esse mesmo contexto;
  • Apropriada para estudar longos períodos de tempo.

 

PESQUISA DE CAMPO

 

Outra boa opção em trabalhos acadêmicos sobre Educação Inclusiva é a pesquisa de campo que procede à observação de fatos e fenômenos exatamente como ocorrem realmente, à coleta de dados referentes aos mesmos e, finalmente, à análise e interpretação desses dados, com base numa fundamentação teórica consistente, objetivando compreender e explicar o problema pesquisado.

Ciência e áreas de estudo, como a Antropologia, Sociologia, Psicologia Social, Psicologia da Educação, Pedagogia, Política, Serviço Social, usam frequentemente a pesquisa de campo para o estudo de indivíduos, grupos, comunidades, instituições, com o objetivo de compreender os mais diferentes aspectos de uma determinada realidade.

Como qualquer outro tipo de pesquisa, a de campo parte do levantamento bibliográfico, exigindo a determinação das técnicas de coleta de dados mais apropriadas à natureza do tema e, ainda, a definição das técnicas que serão empregadas para o registro e análise.

Dependendo das técnicas de coleta, análise e interpretação dos dados, a pesquisa de campo poderá ser classificada como de abordagem predominantemente quantitativa ou qualitativa. Numa pesquisa em que a abordagem é basicamente quantitativa, o pesquisador se limita à descrição factual deste ou daquele evento, ignorando a complexidade da realidade social.

Uma vantagem da pesquisa de campo em relação ao levantamento é o fato de ser mais econômica, por não requerer equipamentos especiais para a coleta de dados. Uma das desvantagens da pesquisa de campo é o tempo que demanda para a sua realização, tipicamente superior ao do levantamento. Outra desvantagem reside no fato de utilizar a observação como principal instrumento de coleta de dados, que pode gerar um grau exagerado de subjetividade dependendo da conduta do pesquisador.

 

PESQUISA QUANTITATIVA

Em sua monografia sobre Educação Inclusiva você poderá optar por trabalhar diretamente com um grupo de pessoas por meio da pesquisa quantitativa. O levantamento tem como característica principal a interrogação direta de pessoas sobre um determinado assunto, por meio de um questionário. Quando todas as pessoas do universo da pesquisa são interrogadas, temos um levantamento censitário ou parametrizado.

Quando apenas algumas pessoas do universo pesquisado são escolhidas de acordo com um critério (amostra), temos um levantamento por amostragem ou estatístico. Os dados coletados são transformados em números que, após análise, geram conclusões que são generalizadas para todo o universo de pesquisa.

Este tipo de pesquisa possui amplo alcance, permite um conhecimento objetivo da realidade e facilidade de sistematizar dados em tabelas, gerando informações a partir de gráficos. Entretanto é um estudo de pouca profundidade e que não permite a apreensão de características dinâmicas inerentes ao processo. É um tipo de pesquisa que funciona bem como método de condução e análise de pesquisas exploratórias e descritivas.

 

ESTUDO DE CASO

Trata-se de uma modalidade de pesquisa muito específica, pois consiste no estudo profundo e exaustivo de um único objeto ou de poucos objetos (um caso particular), onde você poderá analisar o caso de um aluno em fase de inclusão, por exemplo.

O estudo de caso é um método qualitativo que consiste, geralmente, em uma forma de aprofundar uma unidade individual. Ele serve para responder questionamentos que o pesquisador não tem muito controle sobre o fenômeno estudado, contribuindo para compreendermos melhor os fenômenos individuais, os processos organizacionais e políticos da sociedade.

o estudo de caso é uma estratégia de pesquisa que compreende um método que abrange tudo em abordagens especificas de coletas e analise de dados.

Este método é útil quando o fenômeno a ser estudado é amplo e complexo e não pode ser estudado fora do contexto onde ocorre naturalmente. Ele é um estudo empírico que busca determinar ou testar uma teoria, e tem como uma das fontes de informações mais importantes, as entrevistas. Através delas o entrevistado vai expressar sua opinião sobre determinado assunto, utilizando suas próprias interpretações.

A tendência do estudo de caso é tentar esclarecer decisões a serem tomadas, investigando um fenômeno contemporâneo partindo do seu contexto real, utilizando de múltiplas fontes de evidências.

Os estudos de caso podem ser:

  • Exploratórios: quando se que encontrar informações preliminares sobre o assunto estudado. Uma boa abordagem é quando se utiliza de considerações rivais, em que existem diferentes perspectivas, aumentando as chances de que o estudo seja um modelo exemplar.
  • Descritivos: cujo objetivo é descrever o estudo de caso.
  • Analíticos: quando se quer problematizar ou produzir novas teorias que irão procurando problematizar o seu objeto, construir ou desenvolver novas teorias que irão ser confrontadas com as teorias que já existiam, proporcionando avanços do conhecimento.

 

O pesquisador precisará ter diferentes visões teóricas acerca do assunto estudado, pois serão a base para orientar as discussões sobre determinado fenômeno constituem a orientação para discussões sobre a aceitação ou não das alternativas encontradas.  Para isso é preciso que possuir uma amostra de várias evidências.

É uma investigação que se assume trata sobre uma situação específica, procurando encontrar as características e o que há de essencial nela. Esse estudo pode ajudar na busca de novas teorias e questões que serviram como base para futuras investigações.

 

PESQUISA-AÇÃO

 

A pesquisa-ação possibilita que o pesquisador intervenha dentro de uma problemática social, analisando-a e anunciando seu objetivo de forma a mobilizar os participantes, construindo novos saberes. É através da pesquisa-ação que o docente tem condições de refletir criticamente sobre suas ações.

Ela possui uma base empírica que é concebida e realizada através de uma relação estreita com uma ação ou com a resolução de um problema coletivo, ou seja, os participantes envolvem-se de modo cooperativo ou participativo.

A pesquisa-ação supõe uma forma de ação planejada de caráter social, educacional, técnico entre outros. A sua utilização como forma metodológica possibilita aos participantes condições de investigar sua própria prática de uma forma crítica e reflexiva. Nela estão envolvidos pesquisadores e pesquisados e todos estão envolvidos na solução de problemas e na busca de estratégias que visam encontrar soluções para os problemas.

A partir dessa reflexão, os professores participantes poderão desenvolver uma maior abertura para revisão de sua prática docente, utilizando para isso o trabalho coletivo, pois, a abertura para o universo escolar para os pesquisadores deve se dá de maneira interativa com os participantes, sendo necessária uma relação muito próxima entre teoria e prática.

Por ser diferir das demais linhas de pesquisas por contrapor o paradigma da pesquisa desenvolvida por especialistas que se encontram fora do contexto escolar, os pesquisadores que estão envolvidos, tendo uma flexibilidade na aceitação dos pontos de vistas dos participantes, desenvolvendo uma abertura para aceitar os resultados que venham a ser divergentes.

A pesquisa-ação deve funcionar como uma metodologia estrutura de uma pesquisa pedagógica que tem como objetivo estimular a expressão individual na tomada de decisões.

É preciso haver um processo de revisão sempre que for preciso adaptar alguma coisa em função das circunstâncias e da dinâmica interna que acontece entre o grupo de pesquisadores e a situação que está sendo investigada.

No processo da pesquisa-ação é preciso diagnosticar uma dada situação, formular uma estratégica de trabalho, desenvolver estratégicas e uma avaliação eficiente, para em seguida, analisar e compreender a nova situação, propiciando um processo de reflexão-ação-reflexão que ajuda aos professores a ter clareza sobre sua prática em sala de aula, promovendo mudanças atitudinais necessárias para assegurar uma boa formação dos futuros professores.

Dessa forma irá gerar mudanças na cultura escolar, criando comunidades de investigação que contribuirá para práticas participativas e democráticas e fazendo surgir uma re-significação do conceito de professor, de aluno, de aula e de aprendizagem.

 

Acervo Inclusivo Emílio Figueira

Por causa de uma asfixia durante o parto, Emílio Figueira adquiriu paralisia cerebral em 1969, ficando com sequelas na fala e movimentos. Militante das questões referentes às pessoas com deficiência desde a década 1980, nunca se deixou abater por sua deficiência motora e vive intensamente inúmeras possibilidades. Nas artes, no jornalismo, autor de uma vasta produção científica como psicólogo e psicanalista, tendo cinco pós-graduações e dois doutorados. Como escritor tem uma variada obra em livros impressos e digitais, passando de setenta títulos lançados, peças teatrais e roteiros audiovisuais.