Conversando Sobre Educação Inclusiva Com A Família – Parte 5 – Por Emílio Figueira

AS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIAS E AS POSSIBILIDADES DE SEU FILHO COM DEFICIÊNCIA

 

Esses dias estive pensando… Sempre usamos os padrões estabelecidos como metas a serem atingidas. Por exemplo, queremos que nossos filhos estudem como qualquer criança e atinjam uma faculdade e uma carreira de sucesso.

Mas você, enquanto pai ou mãe, já pensou que há outras possibilidades de seus filhos atingirem sucesso e serem integrados numa sociedade produtiva?

Que eles, principalmente àquele com deficiência mais acentuada, podem desenvolver outras atividades?

Vou apresentar as Múltiplas Inteligências e suas muitas possibilidades. Elas foram desenvolvidas por Howard Gardner, psicólogo da Universidade de Hervard que se baseou nestas pesquisas para questionar a tradicional visão da inteligência, defendendo que todos os indivíduos são capazes de uma atuação em pelo menos sete diferentes e, até certo ponto, independentes áreas intelectuais, descritas no seu livro “Estrutura da Mente: A teoria das Inteligências Múltiplas” (Porto Alegre, Artes Médicas, 1994). O interessante é que Gardner aponta que não existem habilidades gerais. Assim como eu, esse teórico duvida da possibilidade de se medir a inteligência por meio de testes de papel e lápis e dá grande importância a diferentes atuações valorizadas em culturas diversas.

Partindo desse ponto de vista, Gardner criou a Teoria das Múltiplas Inteligências como alternativa para o conceito de inteligência, que a entende como uma capacidade inata, geral e única que permite aos indivíduos uma performance, maior ou menor, em qualquer área de atuação. As habilidades humanas não são organizadas de forma horizontal. Gardner propõe que se pense nessas habilidades como organizadas verticalmente e que, em vez de haver uma faculdade mental geral como a memória, talvez existam formas independentes de percepção, memória e aprendizado em cada área ou domínio, tendo possíveis semelhanças entre as áreas, mas não necessariamente uma relação direta.

Nas Múltiplas Inteligências, segundo ele, os seres humanos dispõem de graus variados de cada uma das inteligências e maneiras diferentes com que elas se combinam e se organizam, utilizando-se dessas capacidades intelectuais para resolver problemas e criar produtos. Mesmo sendo essas inteligências até certo ponto independentes uma das outras, elas raramente funcionam isoladamente, mas, na maioria dos casos, as ocupações ilustram bem a necessidade de uma combinação de inteligências.

Estabelecidos os critérios acima, foram identificadas as seguintes inteligências: Inteligência linguística: Inteligência musical: Inteligência lógico-matemática: Inteligência espacial: Inteligência cinestésica: Inteligência interpessoal: Inteligência intrapessoal.

 

Teoria das inteligências múltiplas e a Educação Inclusiva

 

As Múltiplas Inteligências podem ser aplicadas na Educação Inclusiva e no rendimento educacional de seu filho com deficiência?

Sim, as implicações da teoria de Gardner para a educação são claras quando se analisa a importância dada às diversas formas de pensamento, aos estágios de desenvolvimento das várias inteligências e à relação existente entre estágios, aquisição de conhecimento e a cultura. Apresentam alternativas para algumas práticas educacionais atuais, oferecendo uma base para:

  1. O desenvolvimento de avaliações que sejam adequadas às diversas habilidades humanas.
  2. Uma educação centrada na criança com currículos específicos para cada área do saber.
  3. Um ambiente educacional mais amplo e variado, o qual dependa menos do desenvolvimento exclusivo da linguagem e da lógica.

Com relação à educação de seu filho com deficiência dentro da escola regular, podemos focar, por exemplo, que uma criança que aprende a multiplicar facilmente não é necessariamente mais inteligente que uma criança que tenha habilidades mais fortes em outro tipo de inteligência. A criança que leva mais tempo para dominar uma multiplicação simples: Pode aprender melhor a multiplicar por meio de uma abordagem diferente. Pode ser excelente num campo fora da matemática. Pode até está olhando e compreendendo o processo de multiplicação num profundo nível fundamentalmente. Fundamentalmente, uma compreensão mais profunda pode resultar em lentidão que parece e pode esconder uma inteligência matemática potencialmente maior que a de uma criança que rapidamente memoriza a tabuada, apesar de uma compreensão menos detalhada do processo de multiplicação.

Durante as atividades do dia a dia, é importante que se tire o maior proveito das habilidades individuais, auxiliando os estudantes a desenvolverem suas capacidades intelectuais. Aqui, quero conversar um pouco sobre um assunto que acho fundamental. O hábito que os pais e a família devem criar de prestar atenção e valorizar pequenas conquistas na vida diária de seus filhos com deficiência. Na vida diária, por exemplo, comer, vestir-se, tomar banho, sair de casa, dentre outras coisas, assim como fazer tudo isso sozinho é rotina na vida de qualquer um. Contudo, para nós que temos uma deficiência, cada conquista e cada autonomia de fazer sozinho as coisas têm um valor e uma alegria imensos. Posso até contar uma passagem. Tenho recebido muitos convites para fazer palestras pelo Brasil. Minha família me leva ao aeroporto e me busca de lá, mas quando me sinto sozinho caminhando lá dentro, embarcando entre gentes desconhecidas, voando, desembarcando em lugares que nunca estive antes, rumo ao encontro de pessoas que nunca vi, isso me dá uma sensação de liberdade incrível, sinto-me cada vez mais confiante diante de minhas limitações. Isto também nas pequenas coisas. Ao longo da minha reabilitação, algumas ações, tais como aprender a alimentar-me pelas minhas próprias mãos, a cuidar da minha higiene pessoal, a vestir-me, a me barbear com o barbeador elétrico, a sair sozinho para estudar e trabalhar, dentre outras coisas corriqueiras para quem não tem deficiência, sempre tiveram um valor muito grande para mim.

Por isto recomendo em alto e bom som: ATENÇÃO E VALORIZAÇÃO ÀS PEQUENAS CONQUISTAS DE SEU FILHO!

Para saber mais, baixe ao lado o meu livro CONVERSANDO SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA COM A FAMÍLIA. Um presente meu para você!

 

Emilio Figueira

Por causa de uma asfixia durante o parto, Emílio Figueira adquiriu paralisia cerebral em 1969, ficando com sequelas na fala e movimentos. Mas nunca se deixou abater por sua deficiência motora e vive intensamente inúmeras possibilidades. Nas artes, no jornalismo, autor de uma vasta produção científica, é psicólogo, psicanalista, teólogo e personal coach com formação em Programação Neurolinguística. Como escritor é dono de uma variada obra em livros impressos e digitais, passando de cinquenta títulos lançados. Ator e autor de teatro. Várias entrevistas na mídia e em jornais. Hoje com cinco graduações e dois doutorados, Figueira é professor e conferencista de pós-graduação, principalmente de temas que envolvem a Educação Inclusiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.