CONVERSANDO SOBRE SUPERAÇÃO – Parte 4 – Por Emílio Figueira

SAINDO DA MARGEM DE NÓS MESMOS

Olá, tudo bem?

Nesta nossa quarta conversa falarei sobre a importância de nos movimentarmos rumo aos nossos objetivos e desejos. Além das reflexões, apresentarei ações que poderão lhe orientar nesta caminhada.

Esses dias, comecei a ler alguns versos de Fernando Pessoa. Dois, em particular, chamaram minha atenção. O primeiro é este:

 

“Há um tempo em que é preciso abandonar as roupas usadas, que já têm a forma do nosso corpo, e esquecer os nossos caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares”.

Esses versos mexeram muito comigo e, então, comecei a repensar minha vida e meus atos. Percebi que eu andava na mesmice de sempre. Logo eu que sempre fui dinâmico, nunca tive medo de ousar na vida, arriscar-me nos meus ideais, algumas vezes errando, outras acertando… Decidi, então, que era hora de mudar novamente.

Mas mudar não é fácil. Naturalmente somos contaminados pela rotina, passamos a viver quase que mecanicamente. Quantos de nós reclamamos da realidade em que vivemos, porém não fazemos o menor movimento para alterá-la e modificá-la? Temos sonhos, mas poucos têm coragem de persegui-los.

Reclamar da vida e colocar a culpa nos outros por causa de nossa situação são formas, até mesmo consciente ou inconsciente, de justificar as nossas “covardias” de ousar perante a vida!

Na vida, alguns tipos de medo – especialmente a ansiedade – são paralisantes, avassaladores, improdutivos. Contudo, o medo maior é aquele que experimentamos quando seguimos nossos sonhos e tentamos fazê-los acontecer de verdade.

Isto porque todos nós temos um sabotador interno que começa a impor barreiras imaginárias, ressaltando todas as coisas que podem dar errado, trazendo a mente uma longa lista de razões sensatas pelas quais nós deveríamos reconsiderar e abandonar seus planos completamente.

Para realizar mudanças, temos que, primeiramente, vencer esta é a voz de resistência que usa o medo como uma alavanca para manter-nos longe de nossos sonhos e objetivos.

Quanto maior o sonho, maior o medo. Este tipo de medo é um sinal de que estamos no caminho certo, que estamos nos desafiando em busca de algo incrível. Precisamos começar a lidar com nossos medos, sentindo-o em nosso corpo, mas não em nossa mente. Usarmos o medo como uma sugestão para a ação, questionando-nos:

O que eu preciso fazer para neutralizar os perigos e alcançar meus objetivos?

Quando fazermos esse autoquestionamento nasce uma ação significativa: o medo desaparece, deixando-nos com confiança e entusiasmo renovados.

Cito Einstein: “Loucura é fazer sempre as mesmas coisas e esperar por resultados diferentes”.

Há pessoas que têm essa coragem e, mesmo tendo tudo contra a sua realidade, não medem esforços. Buscam forças onde menos se espera, acham brechas em situações adversas e vão em busca de seus sonhos e de suas realizações.

Chegam aonde desejam ou até mais longe e, muitas vezes, são duramente criticadas pela inveja daquelas pessoas que se acovardam perante o ato de viver. Aliás, a inveja é um sentimento doentio, um declarar da incompetência de muitos, pois quem é bem-resolvido não cultiva inveja das outras pessoas.

Reconheço que mudar gera medo a qualquer um. Mudança significa sair de nossa zona de conforto e mergulhar, muitas vezes, rumo ao desconhecido. O conhecido já está em nossa mente, o desconhecido ainda não. Mudar pode ser o ato de abrir mão ou perder algo para se conquistar o novo. Pode exigir uma caminhada sem estabilidade até atingirmos os objetivos de tais mudanças.

Levantar perante a vida para buscar mudanças é um ato de coragem. É algo que requer planejamento, ter objetivos e metas bem definidas. Pode realizar-se pelo simples ato de nos levantarmos da “poltrona do mesmismo” e nos colocarmos em movimento.

A VIDA É DINÂMICA

Para criarem mudanças em suas vidas, as pessoas precisão se inspirarem, criar esperanças, colocarem-se em movimento e buscar mudanças nas suas vidas pessoais, profissionais e sentimentais.

 A vida, as histórias não são estáticas. Elas são dinâmicas, renovam-se constantemente. E pessoas presas ao comportamento da mesmice, ao passado, ao tradicionalismo, acabam ficando estáticas. Não vivem, elas são vividas pela vida! E, consequentemente, vão se definhando ao longo do tempo como tudo em sua volta. Deixando passar as possibilidades!

Muitas vezes o que nos impede de mudarmos somos nós mesmos em nossas autocríticas severas. Em nossas conversas interiores só buscamos vários erros e defeitos na nossa aparência, comportamento ou em nossa vida no geral. Isto é uma grande barreira para encontrar e traçar metas, ser feliz para sua vida. Se não aprendemos a nos amar e se respeitar plena e completamente.

Se nos considerarmos indignos de coisas melhores em nossas vidas, porque nós nos criticamos, o problema somos nós mesmos. Precisamos trabalhar a nossa autoconfiança e autoestima saudável florescem do amor próprio e auto aceitação. Em outras palavras, precisamos aprender a nos aceitar e acreditarmos que somos dignos de receber amor recíproco, amar e sermos amados!

No mesmo poema, Fernando Pessoa diz: “É o tempo da travessia: e, se não ousarmos fazê-la, teremos ficado, para sempre, à margem de nós mesmos”.

PENSAMENTOS POSITIVOS E FOCADOS

Você precisa pensar positivo – sobre o que você quer, e não sobre o que você não quer. Ter bastante clareza sobre o que deseja e quais seus objetivos.

Ficar especificando em detalhes tudo aquilo que você não quer leva um tempo infinito, além de consumir energias emocionais, as quais você poderia estar canalizando/focando na busca de seus sonhos e objetivos.

Nosso cérebro não reconhece a palavra não. Quando você diz “que não quer algo para a sua vida”, ele compreende que “você quer isso para a sua vida”. E, muitas vezes de forma inconsciente, você continuará tendo comportamentos repetíveis, sem se deixar evoluir e crescer afetivamente.

Para ter mudanças em sua vida evite ficar relembrando/revivendo mentalmente o que você não quer para a sua vida. Essa auto prisão significa ficarmos focando o pensamento no problema, e não na solução. Ele parece tão avassalador, assumindo nosso raciocínio, deixando pouco espaço de manobra, o que nos impede de refletir acerca das alternativas possíveis.

Acredito que, para resolver um problema, precisamos entendê-lo completamente, tendo plena consciência de onde veio, o que causou, o que significa. Mas sempre iremos nos surpreender se descobrimos o quanto será eficaz parar de pensar sobre o problema e começar a pensar em opções e soluções potenciais. Este é o lugar onde a palavra mágica em vez entra em cena.

A expressão “em vez” nos leva a refletir sobre o que queremos como alternativa para o problema que enfrentamos. Nesses momentos devemos nos perguntar:

  • O que eu quero em vez de isso?
  • O que eu tenho que fazer para mudar?
  • Quais potenciais alternativas?
  • Como eu gostaria que ocorresse essa mudança?
  • Quais caminhos percorrer para realizar essa mudança?
  • Onde eu quero chegar?

Quando chegamos a algumas dicas específicas e respostas concretas, começamos a fazer questionamentos acerca de nós mesmos, surpreendemo-nos com os resultados apurados. Pensar positivamente pode não se ter ainda formado o futuro, mas sempre é melhor pensar sobre o que pode dar certo do que sobre o que pode dar errado. Nossa tendência é de alcançar aquilo que pensamos. Você é dirigido(a) para, e muitas vezes obtém, aquilo que você pensa.

TRAÇANDO OBJETIVOS E METAS

Em qualquer seguimento da vida temos vários sonhos e desejos que queiramos alcançá-los. Mas tudo só acontece se tivermos estipulado objetivos e traçado metas para fazê-lo. Muitos confundem um com o outro e por isso é importante saber a definição e a diferença de objetivos e metas.

  • Objetivo é o mesmo que alvo, o propósito de realizar algo. O objetivo fornece a direção do que se deseja fazer ou alcançar, servindo como guia. É a posição que se deseja ocupar no futuro, o sonho que se deseja realizar.
  • Meta é o objetivo de forma quantificada. Algo que desejamos, sendo possível ser medido. É alguma coisa que temos em mente para o futuro, mas que seja determinado. Uma meta deve estar relacionada com o tempo que é almejado para atingir e o valor e/ou a energia que deseja gastar para chegar lá.

Isto envolve o esforço que pretendemos empregar para conseguir alcançar:

  • Objetivo: promover uma mudança ou alcançar algo em nossa vida 
  • Meta: encontrar e traçar os passos, ações e tempo estimado para promover essa mudança ou atingir esse objetivo

Após a definição, separamos algumas dicas para auxiliar na hora de obter um resultado extraordinário. São elas:

Foco: Essa é uma das estratégias mais importantes, já que estar focado significa estar comprometido com o seu objetivo, desejando sair de seu estado atual para o estado desejado. Focar significa evitar distrações, concentrando-se naquilo que realmente almeja.

Disciplina: Pessoas que têm essa característica, têm a chave do sucesso, já que essa representa o esforço, a determinação e a vontade de alcançar o sonho. É o atributo que lhe impulsiona a lutar por seu objetivo e meta, perseverando em busca do desejado.

Dedicação: Esta é de suma importância, pois está ligada a qualidade da atividade, ou seja, o fato de a pessoa se propor a fazer aquilo da melhor forma possível, para assim alcançar seu sonho.

Confiança: É muito importante também saber que você é capaz de conseguir. Afaste o medo da derrota e as lembranças negativas do que não deu certo em relacionamentos anteriores. Busque sempre crescer, pois o único responsável pela conquista é você, mantendo-se confiante que tudo dará certo. Seja positivo, otimista e lute pelos seus sonhos.

Nossa Próxima Conversa…

Em dois dias você receberá um e-mail com o link da nossa quinta conversa que será mais um convite a reflexão. Muitas vezes estamos correndo atrás de mais e quase nunca aproveitamos nossas conquistas, sejam elas grandes ou pequenas. Temos a falsa ilusão que a nossa felicidade sempre estará lá no futuro…

Se você puder, deixe um comentário abaixo dizendo o que você achou da conversa de hoje, dúvidas, sugestões, enfim, fique à vontade.

Por causa de uma asfixia durante o parto, Emílio Figueira adquiriu paralisia cerebral em 1969, ficando com sequelas na fala e movimentos. Mas nunca se deixou abater por sua deficiência motora e vive intensamente inúmeras possibilidades. Nas artes, no jornalismo, autor de uma vasta produção científica, é psicólogo, psicanalista, teólogo e personal coach com formação em Programação Neurolinguística. Como escritor é dono de uma variada obra em livros impressos e digitais, passando de cinquenta títulos lançados. Ator e autor de teatro. Várias entrevistas na mídia e em jornais. Hoje com cinco graduações e dois doutorados, Figueira é professor e conferencista de pós-graduação, principalmente de temas que envolvem a Educação Inclusiva.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.