Emílio Figueira e sua trajetória de superação

Texto: Luis Nassif, em 26/06/2018

Foto: Giselle Bohnen

Jornal GGN – A paralisia cerebral chega a atingir cerca de 150 mil brasileiros todos os anos, segundo um levantamento do Hospital Israelita A. Einstein.  Foi no final dos anos 60, quando nasceu, que Emílio Figueira se viu frente à deficiência motora, que apesar da complexidade não foi capaz de limitar sua vida e a escrita.

Hoje, aos 50 anos, Figueira acaba de lançar “Confissões De Um Bom Malandro”, uma obra sobre sua trajetória e que está disponível na versão digital gratuitamente, em seu site. Essa é mais uma publicação, entre os 74 títulos assinados pelo cientista.

“Ao adquiri paralisia cerebral no final dos anos 1960, para grande parte das pessoas que me conheciam e para minha família eu já estava com o meu destino traçado. Ser dependente das outras pessoas, isolado dentro das instituições. Ainda mais naquela época onde nós, pessoas com deficiência, vivíamos totalmente excluídos”, comentou o autor que decidiu por um caminho oposto.

Mesmo em uma época que a inclusão não era pautada e os preconceitos eram muito mais latentes, Figueira viveu inúmeras possibilidades nas artes e conta com graduações em jornalismo, psicologia e teologia, além de dois títulos de Doutor, com 98 artigos científicos publicados. “Figueira é uma pessoa que vem construindo uma trajetória totalmente improvável pela realidade que a vida tentou lhe impor”, disse o crítico literário Rubens Castro.

Atualmente, Emílio Figueira também é professor e conferencista de pós-graduação em temas que envolvem Psicologia e Educação Inclusiva, criando um treinamento online para professores, onde já ajudou a formar 22 mil profissionais da área no Brasil, sendo grande parte da região norte e nordeste.

“Gosto de fazer pirraça para os meus pensamentos limitantes. Sempre que eles dizem que não sou capaz de fazer algo, vou lá e faço, mesmo que não seja exatamente como as demais pessoas, mas faço de meu jeito”, completou Figueira.

 

Por causa de uma asfixia durante o parto, Emílio Figueira adquiriu paralisia cerebral em 1969, ficando com sequelas na fala e movimentos. Mas nunca se deixou abater por sua deficiência motora e vive intensamente inúmeras possibilidades. Nas artes, no jornalismo, autor de uma vasta produção científica, é psicólogo, psicanalista, teólogo e personal coach com formação em Programação Neurolinguística. Como escritor é dono de uma variada obra em livros impressos e digitais, passando de cinquenta títulos lançados. Ator e autor de teatro. Várias entrevistas na mídia e em jornais. Hoje com cinco graduações e dois doutorados, Figueira é professor e conferencista de pós-graduação, principalmente de temas que envolvem a Educação Inclusiva.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.