A História Da Pessoa Com Deficiência No Brasil

CAMINHANDO EM SILÊNCIO – Uma introdução à trajetória da pessoa com deficiência na história do Brasil”, de Emílio Figueira. Lançado em 2008 pela Giz Editorial, a obra está em sua segunda edição e pode ser encomendada diretamente com a editora pelo e-mail atendimento@gizeditorial.com.br 

Neste momento quando o tema Inclusão Social e Escolar estar em voga, “Caminhando em Silêncio” traça em suas 184 páginas o percurso das pessoas com deficiência na História do Brasil, dividido em quatro Unidades e treze Capítulos. Na primeira, o leitor encontrará a política de exclusão entre nossos indígenas, o assistencialismo dos Jesuítas, a violência gerando deficiência entre os escravos, medicina, hospitais e reabilitação e o estabelecimento da cultura “deficiência associada à doença”.

A Educação é tema da segunda, abordado início das instituições e entidades assistenciais (1854-1956), legislações e políticas nacionais (de 1957 aos dias atuais) e Algumas entrelinhas da Educação Especial.

Três capítulos falam de consciência e organização política, o Ano Internacional de Pessoa Deficiente no Brasil, movimentos políticos da pessoa com deficiência e as Representações Sociais geradas pelos Movimentos. Por fim, a quarta unidade foca o assunto deficiências em algumas lendas brasileiras, as entrelinhas de nossa literatura e no contexto das expressões artísticas.

Fruto de uma pesquisa sistemática durante dez anos, seu contexto reforça a teoria que a maioria das questões que envolvem as pessoas com deficiência no Brasil – por exemplo, mecanismos de exclusão, políticas de assistencialismo, sentimentos de piedade, caridade, inferioridade, oportunismo, dentre outras -, foram construídas culturalmente. Na organização dos capítulos há uma forma didática e multidisciplinar, visando colaborar com várias áreas como Psicologia, Pedagogia, Sociologia, História, Medicina, Artes e afins.

SUMÁRIO DO LIVRO

APRESENTAÇÃO

INTRODUÇÃO

UNIDADE I – PRIMEIROS ECOS HISTÓRICOS

Capítulo 1 – Índios: A política de exclusão entre nossos primitivos

Capítulo 2 – A Campanhia de Jesus: o assistencialismo dos Jesuítas

Capítulo 3 – Violência gerando deficiência entre os escravos

Capítulo 4 – Medicina, hospitais e reabilitação: O estabelecimento da cultura deficiência associada à doença

UNIDADE II – MOMENTOS DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Capítulo 5 – O início das instituições e entidades assistenciais (1854-1956)

Capítulo 5 – Legislações e políticas nacionais (1957 aos dias atuais)

Capítulo 7 – Algumas entrelinhas da Educação Especial

UNIDADE III – CONSCIÊNCIA E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA

Capítulo 8 – 1981 – O Ano Internacional de Pessoa Deficiente no Brasil

Capítulo 9 – Movimentos políticos da pessoa com deficiência

Capítulo 10 – As Representações Sociais geradas pelos Movimentos

UNIDADE IV – LENDAS, ESCRITORES E ARTISTAS HISTÓRICOS BRASILEIROS

Capítulo 11 – O assunto deficiências em algumas lendas brasileiras

Capítulo 12 – Nas entrelinhas de nossa literatura

Capítulo 13 – No contexto das expressões artísticas

BIBLIOGRÁFIA

Por causa de uma asfixia durante o parto, Emílio Figueira adquiriu paralisia cerebral em 1969, ficando com sequelas na fala e movimentos. Mas nunca se deixou abater por sua deficiência motora e vive intensamente inúmeras possibilidades. Nas artes, no jornalismo, autor de uma vasta produção científica, é psicólogo, psicanalista, teólogo e personal coach com formação em Programão Neurolinguística . Como escritor é dono de uma variada obra em livros impressos e digitais, passando de cinquenta títulos lançados. Ator e autor de teatro. Várias entrevistas na mídia e em jornais. Hoje com cinco graduações e dois doutorados, Figueira é professor e conferencista de pós-graduação, principalmente de temas que envolvem a Educação Inclusiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*