Jornal O Dia: Os Existencialistas estão nadando de braçada na Inclusão!

Amigos, olham o meu artigo publicado hoje na primeira página do jornal carioca O DIA.

A ONU estabeleceu, desde 1998, a data de 03 de dezembro como o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência (PcD), com o objetivo de promover maior compreensão dos assuntos concernentes à elas e para mobilizar a defesa da dignidade, dos direitos e o bem estar das pessoas na vida política, social, econômica e cultural. Uma data para se falar em direitos. Mas também para se falar de atitudes!

Durante décadas a imagem da deficiência foi como um “espelho perturbador” à sociedade, incomodando por trazer à tona medos inconscientes, a impotência em reconhecermos nossas próprias deficiências e fragilidades, derrubando falsos conceitos que somos perfeitos, sensações de beleza. E muitos evitavam ficar de fronte delas justamente para não perturbá-los em seus egos fragilizados e inseguranças mais secretas.

Nos anos 1980 colocamos a cara na rua para lutar por nossos direitos e espaço na sociedade. Surgiria o conceito de Inclusão Social, uma grande revolução que abriu as portas de muitas casas de PcD, lançando-as pelas ruas rumo às infinitas possibilidades, atingindo campos e posições até então imagináveis à nossa classe.

Se antes as PcD poderiam ser um “espelho perturbador”, agora na Inclusão nossa imagem passou a se refletir de maneira positiva por temos o poder de adaptações em diversas situações. E a Inclusão nos trouxe vários desafios pessoais. Esse comportamento de superação nasce quando precisamos encontrar caminhos para coisas cotidianas. Com resultados positivos, alimentamos a autoestima indo para passos imagináveis.

Mas nem todas as PcD estão tendo as mesmas oportunidades. Isso envolve questões culturais e pessoais. Existem pessoas humildes em longínquos lugares, desconhecedoras de seus direitos e dos recursos existentes. Vítimas de péssimas políticas governamentais. Pessoas que não foram estimuladas a procurar melhoras, conformando-se com o seu próprio destino como se a vida fosse um fato consumado.

Por outro lado, por cinco décadas, encontrei muitas pessoas acomodadas. Fazendo de suas próprias deficiências muletas, vitimando-se, usando das justificativas desculpas onde o culpado sempre é o outro.

Há pessoas que vivem e há pessoas que são vividas pela vida, folhas secas que vão para onde o vento sopra. Tanto faz se são pessoas com ou sem deficiência. A melhor forma de ajudar essas pessoas, será apresentando-as aos seus direitos, fortalecendo suas autoestimas e os caminhos a serem trilhados.

Há duas formas de se viver. Os Essencialistas, acreditando que as coisas já estão pré-determinadas, que nascemos com uma essência que não vai mudar. E os Existencialistas, acreditando que nossa essência é construída com a possibilidade de ser, correm atrás de seus objetivos e sonhos, buscam oportunidades.

Certamente, os Existencialistas estão nadando de braçada na Inclusão!

Emilio Figueira

Por causa de uma asfixia durante o parto, Emílio Figueira adquiriu paralisia cerebral em 1969, ficando com sequelas na fala e movimentos. Militante das questões referentes às pessoas com deficiência desde a década 1980, nunca se deixou abater por sua deficiência motora e vive intensamente inúmeras possibilidades. Nas artes, no jornalismo, autor de uma vasta produção científica como psicólogo e psicanalista, tendo cinco pós-graduações e dois doutorados. Como escritor tem uma variada obra em livros impressos e digitais, passando de setenta títulos lançados, peças teatrais e roteiros audiovisuais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.