Ministério lança software gratuito que traduz conteúdo digital para Libras

Criado em parceria com a UFPB, programa público traduz 11 mil sinais.
Investimento é de R$ 2 milhões; usuários podem incrementar dicionário.

 Gabriel LuizDo G1 DF
Segundo o coordenador do projeto, César Bomfim, o programa pode beneficiar cerca de 10 milhões de brasileiros com algum grau de surdez uma vez que boa parte não é alfabetizada na língua escrita. “O software consegue identificar 11 mil códigos [sinais] diferentes. É uma tecnologia de ponta que pode ser usada por qualquer um e inclusive ser adaptada para a TV digital.”

Como o banco de dados é público, o “dicionário” do programa pode ser incrementado por qualquer usuário. “É uma ferramenta colaborativa”, afirmou o secretário de Tecnologia da Informação do ministério, Cristiano Heckert. “Nós convidamos tanto os cidadãos quanto empresas, órgãos públicos, escolas, hospitais a fazerem uso dessa ferramenta, e também colaborarem no seu desenvolvimento, principalmente na ampliação do catalogo de sinais utilizado.”

Com custo de cerca de R$ 2 milhões, o VLibras demorou um ano e dez meses para ser desenvolvido. Além da versão para desktop, o programa também está disponível para plataformas móveis, como celulares e tablets, e pode ser instalado como plug-in (diretamente no navegador). Os serviços já se encontram disponíveis para download.
De uso gratuito, o programa também pode trazer economia para o governo federal. É uma forma de atender a lei 13.146, de 2015, cujo texto prevê que todo órgão público deve manter sites acessíveis para pessoas com deficiência.

“É de custo zero porque é público. Um órgão vai poder instalar o programa sem precisar fazer nenhum ajuste”, explicou o coordenador, César Bomfim. Segundo ele, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e a Infraero já se mostraram interessadas na ferramenta.

Próximos passos

Um desafio a ser superado pela equipe da UFPB – responsável pelo desenvolvimento do software – é a falta de padrão para o uso de determinado sinal pelo Brasil. “São regionalismos. A pessoa pode entender um determinado sinal de uma forma em um estado e completamente diferente em outro”, continuou Bomfim, que disse ter se sentido estimulado no projeto pelo fato de a filha de uma amiga ser surda.

Outra intenção dos criadores é refinar o “entendimento” do VLibras, para que possa traduzir corretamente expressões da língua portuguesa ou termos específicos – científicos ou jurídicos, por exemplo. Os criadores do programa também tentam achar uma forma de implementar a tradução simultânea. Por enquanto, o programa é capaz de traduzir vídeos desde que venham com arquivo de legenda.

Por causa de uma asfixia durante o parto, Emílio Figueira adquiriu paralisia cerebral em 1969, ficando com sequelas na fala e movimentos. Mas nunca se deixou abater por sua deficiência motora e vive intensamente inúmeras possibilidades. Nas artes, no jornalismo, autor de uma vasta produção científica, é psicólogo, psicanalista, teólogo e personal coach com formação em Programação Neurolinguística. Como escritor é dono de uma variada obra em livros impressos e digitais, passando de cinquenta títulos lançados. Ator e autor de teatro. Várias entrevistas na mídia e em jornais. Hoje com cinco graduações e dois doutorados, Figueira é professor e conferencista de pós-graduação, principalmente de temas que envolvem a Educação Inclusiva.

6 comentários em “Ministério lança software gratuito que traduz conteúdo digital para Libras

  1. Ola..
    Boa tarde
    Achei fantástica a iniciativa, porem não estou conseguindo realizar as copias de texto para assim poder fazer a tradução para LIBRAS, também acessei o manual e o link disponível para NVDA esta disponível, tentei seguir os passos mais não esta dando certo.
    Grata

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.