Rede Lucy Montoro alerta sobre acidentes em piscinas e cachoeiras no verão

Maior incidência dos acidentes acontece com pacientes entre 25 e 45 anos e 100% sofrem lesão medular e se tornam tetraplégicos

Segundo levantamento da Rede de Reabilitação Lucy Montoro, em 2018, 100% dos pacientes vítimas de acidentes causados por quedas em piscina, cachoeira e água rasa sofreram lesão medular com o comprometimento do movimento de todos os membros (tetraplegia). Deste total, cerca de 92% são homens e 75% tem entre 25 e 45 anos.

De acordo com o médico fisiatra da Rede de Reabilitação Lucy Montoro, André Sugawara, a falta de cautela e o consumo de álcool estão entre as principais causas. Segundo o médico, os banhistas devem tomar cuidado ao mergulhar em águas desconhecidas e no caso de cachoeiras, não mergulhar em águas com menos que o dobro da altura.

Além destas orientações, Sugawara alerta para que os usuários não entrem na água ou mergulhem embriagado, não participem ou permitam brincadeira quando estiver nadando ou mergulhando e ao mergulhar, sempre que possível estendam os braços ao lado da cabeça para protegê-la. “Evitar saltar de lugares muito altos e saltos ornamentais também ajudam a prevenir acidentes”, complementa o fisiatra.

A Rede Lucy Montoro atende casos de lesões medulares, amputações e má-formação, lesões encefálicas do adulto (LEA), traumatismo craniano e acidente vascular encefálico, paralisia cerebral e dor incapacitante. Os interessados em receber tratamento devem procurar a unidade da Rede Lucy Montoro mais próxima da residência da rede e apresentar encaminhamento médico de uma unidade pública de saúde.

A Rede de Reabilitação Lucy Montoro é a primeira instituição brasileira a conquistar a acreditação da Commission on Accredition of Rehabilitation Facilities (CARF). Criada em 2008, a rede conta atualmente com 17 unidades em funcionamento que realizam mais de 100 mil atendimentos por mês. Referência em reabilitação para pessoas com deficiência e doenças incapacitantes, o atendimento é realizado por uma equipe multidisciplinar, composta por médicos fisiatras, enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, assistentes sociais e outros profissionais especializados.

Fonte: Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência – Av. Auro Soares de Moura Andrade, 564 – Portão 10 – Barra Funda – São Paulo – SP

Foto: Google Imagem

Emilio Figueira

Por causa de uma asfixia durante o parto, Emílio Figueira adquiriu paralisia cerebral em 1969, ficando com sequelas na fala e movimentos. Militante das questões referentes às pessoas com deficiência desde a década 1980, nunca se deixou abater por sua deficiência motora e vive intensamente inúmeras possibilidades. Nas artes, no jornalismo, autor de uma vasta produção científica como psicólogo e psicanalista, tendo cinco pós-graduações e dois doutorados. Como escritor tem uma variada obra em livros impressos e digitais, passando de setenta títulos lançados, peças teatrais e roteiros audiovisuais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.