VOCÊ DECIDE – REDE GLOBO

Você Decide foi um programa de televisão brasileiro interativo exibido pela Rede Globo entre 1992 e 2000, sendo o segundo seriado de maior duração da TV Globo, com 9 temporadas e 323 episódios. Em cada episódio eram encenados casos especiais, com um final diferente a ser escolhido pelos telespectadores através de votações via telefone.

Nesse contexto, apresentei três projeto ainda escritos à velha máquina de escrever a direção do programa, dois foram aprovados:

 

A DIFÍCIL CONFISSÃO (Argumento, 1992)

Entre um casal existe uma amizade muito profunda. Com o passar do tempo, ele passa a admirá-la mais do que deveria. Inicialmente, duas questões – formando o conflito principal – invadem sua  mente, numa confusão psíquica: contar e correr  o risco de perdê-la como amiga, não sendo correspondido. Ou nada  dizer e preservar a amizade. Três sub-conflitos (um namorado, uma gravidez e problemas psíquicos por parte dela), criam situações que fazem ele adiar a confissão ao longo do programa, até chegar ao desfecho final que serão dois, correspondendo as expectativas dos telespectadores que decidirá qual irá ao ar.

 

AS VOLTAS QUE O MUNDO DÁ (Roteiro, 1996)

Eunice, casada e muito feliz no aspecto familiar, com dois filhos pequenos, descobre que está com tuberculose. O marido a interna em um hospital especializado em São José dos Campos. Durante os três meses que permanece no hospital, não recebe nenhuma visita ou carta. Ao ter alta e  retornar  a sua cidade de origem, não encontra sua família que mudara sem deixar endereço para contato. Percebe que está sendo discriminada por sua doença.

Desanimada, Eunice resolve ir morar na cidade de Bauru e tentar a vida sozinha. Vence e empregada, tem sua casa, carro, vida confortável, doando seu  tempo disponível para ajudar pacientes abandonados em hospitais. Após quinze anos, sempre sozinha, recebe de surpresa na noite de natal, a visita de dois adolescentes, seus filhos que, ao descobrir toda a verdade quanto ao sumiço de sua mãe, vieram morar com ela. Revelam que o pai, após contrair AIDS por meio de uma  relação sexual, perdeu-se na bebida e está caído, literalmente, pelas sarjetas.

A mãe do marido que a abandonou no passado, quer que Eunice vá ampará-lo em sua decadência, aceitando-o novamente em sua  casa.  Começa o seu conflito psicológico, ficando entre as lindas e felizes recordações de seu namoro e casamento (o que lhe dá vontade de lhe perdoar) e a mágoa de ter sido abandonada no hospital (a dor e a chance de se vingar).

 

CARISMA (Roteiro, 1997)

Uma mãe solteira tem um filho que nasce com fissura lábio-palatal. Ao querer abandoná-lo, a assistente social do hospital que atende o caso, resolve adotá-lo, mas encontra resistência do seu marido, deixando ela com três desfechos para o caso: convencer a mãe verdadeira a ficar com a criança; convencer o seu marido pela adoção; ou encontrar um outro casal com boas condições financeiras para adotá-la.

 

Emilio Figueira

Por causa de uma asfixia durante o parto, Emílio Figueira adquiriu paralisia cerebral em 1969, ficando com sequelas na fala e movimentos. Mas nunca se deixou abater por sua deficiência motora e vive intensamente inúmeras possibilidades. Nas artes, no jornalismo, autor de uma vasta produção científica, é psicólogo, psicanalista, teólogo e personal coach com formação em Programação Neurolinguística. Como escritor é dono de uma variada obra em livros impressos e digitais, passando de cinquenta títulos lançados. Ator e autor de teatro. Várias entrevistas na mídia e em jornais. Hoje com cinco graduações e dois doutorados, Figueira é professor e conferencista de pós-graduação, principalmente de temas que envolvem a Educação Inclusiva.